UM CURSO EM MILAGRES
19 de dezembro de 2007
4ª feira

Eu estou aqui só para ser verdadeiramente útil.
Eu estou aqui para representar Aquele Que me enviou.
Eu não tenho que me preocupar com o que dizer ou o que
fazer, porque Aquele Que me enviou me dirigirá.
Eu estou contente em estar aonde quer que Ele deseje,

sabendo que Ele vai comigo.
Eu serei curado na medida em que eu permitir que Ele
me ensine a curar.

Página 133
Capítulo 7 – As Dádivas do Reino - VI. Da Vigilância à Paz
7. Se mantiveres em mente o que o Espírito Santo te oferece, não podes ser vigilante a favor de coisa alguma, a não ser de Deus e do Seu Reino. A única razão pela qual podes achar isso difícil de aceitar é que podes ainda pensar que existe algo mais. A crença não requer vigilância a não ser que seja conflitada. Se é, existem componentes conflitantes dentro dela que conduziram a um estado de guerra e a vigilância, então, veio a ser essencial. A vigilância não tem lugar na paz. Ela é necessária contra crenças que não são verdadeiras e nunca o Espírito Santo teria apelado para isso, se não tivesses acreditado no que não é verdadeiro. Quando acreditas em alguma coisa, fazes com que seja verdadeira para ti. Quando acreditas no que Deus não conhece, o teu pensamento parece contradizer o Seu e isso faz com que pareça que O estás atacando.

Jorge:
O termo Reino vem do Antigo Egito. Reis eram aqueles que alcançaram a santidade, depois eles se desviaram disto.

A vigilância deve ser contra as crenças equivocadas.

Poderíamos acreditar que tenha outro caminho que não seja o caminho da Expiação. Os pecados não são contra Deus, geramos uma falsa crença. O único caminho é da Expiação, ninguém pode nos salvar.

Natal significa lembrar o nascimento, o presente é oferecido para lembrarmos da presença. Os objetos não têm valor, eles têm utilidade como veículo para levar alegria e para lembrar a presença, isto começou com o Reis Magos que foram visitar Jesus e lhe levaram presentes. É a abundância. Quando nós saímos do Reino nós entramos na escassez, é a história do filho pródigo. O filho pródigo abandonou o reino e entrou na escassez. A nossa mente também. Nós também fizemos isso.

Tivemos, neste final de ano, um logo debate sobre abundância e escassez, percebeu-se que as pessoas têm muitas dificuldades de aceitar a abundância. Parece que existe, ainda muito forte, uma crença de que o dinheiro deve proporcionar as coisas materiais e só serve para isto. E que a pessoa que vive na abundância não vai alcançar o Reino. Isto é um grande equivoco, é uma inversão de valores que temos. Parece que, cada vez está mais invertido esta percepção.

Temos que estar vigilantes contra as crenças equivocadas, nós as construímos e passamos a acreditar nelas.

8. Enfatizei repetidamente que o ego acredita que pode atacar a Deus e tenta persuadir-te de que é isso o que tens feito. Se a mente não pode atacar, o ego parte de maneira perfeitamente lógica para acreditar que tens que ser um corpo. Por não ver-te como és, ele pode se ver como quer ser. Ciente da própria fraqueza, o ego quer a tua aliança, mas não como tu realmente és. O ego, portanto, quer engajar a tua mente no seu próprio sistema delusório, pois de outro modo, a luz da tua compreensão o dissiparia. Ele não quer nenhuma parte da verdade, porque o ego em si mesmo não é verdadeiro. Se a verdade é total, o não verdadeiro não pode existir. O compromisso com uma coisa ou outra tem que ser total, elas não podem coexistir na tua mente sem dividi-la. Se não podem coexistir em paz e se tu queres a paz, tens que desistir da idéia de conflito inteiramente e para todo o sempre. Isso requer vigilância só enquanto tu não reconheces o que é verdadeiro. Enquanto acreditares que dois sistemas de pensamento totalmente contraditórios compartilham a verdade, a tua necessidade de vigilância é evidente.

Jorge: Acreditamos que o pinóquio tem vida. Sabemos, como o nosso ego, não existe nada de real no nosso ego. Não existe nada fora do Reino.

9. A tua mente está dividindo a própria aliança entre dois reinos e tu não estás totalmente comprometido com nenhum dos dois. A tua identificação com o Reino está totalmente fora de qualquer questionamento, a não ser para ti quando estás pensando de forma insana. O que tu és não é estabelecido pela tua percepção e não é influenciado por ela em nada. Os problemas percebidos na identificação em qualquer nível não são problemas de fato. São problemas de compreensão, já que a sua presença implica em que acreditas que o que tu és, cabe a ti decidir. O ego acredita totalmente nisso, estando inteiramente comprometido com isso. Isso não é verdadeiro. Portanto, o ego está totalmente comprometido com a inverdade, percebendo em total contradição com o Espírito Santo e com o conhecimento de Deus.

(não houve comentários)

10. Tu só podes ser percebido significativamente pelo Espírito Santo porque o que tu és é o conhecimento de Deus. Qualquer crença que aceites à parte disso vai obscurecer a Voz de Deus em ti e, portanto, obscurecerá Deus para ti. A não ser que percebas a Sua criação verdadeiramente, não podes conhecer o Criador, pois Deus e a Sua criação não são separados. A unicidade do Criador e da criação é a tua integridade, a tua sanidade e o teu poder sem limites. Esse poder sem limites é a dádiva de Deus para ti, porque ele é o que tu és. Se dissocias dele a tua mente, estás percebendo a mais poderosa força do universo como se ela fosse fraca, porque não acreditas que és parte dela.

Jorge: Acreditamos que algo, ou alguma coisa, ou alguém, fora de Deus, do Espírito Santo, possa nos salvar ou nós mesmos possamos nos salvar de qualquer coisa sem a Expiação, que é o exame de consciência, que é comunicar o perdão e a concessão do perdão.

...é que isso vai criar uma sombra sobre Deus e nós vamos perder o caminho.... Isto tem muito a ver com a imagem e com a imaginação. A crença de que sem o ego não existe vida, sem o ego ninguém sobrevive. O ego diz que nós somos os corpos e dependemos do ego para sobreviver. É uma crença equivocada. Acreditamos na imagem de um corpo e na crença equivocada do ego, cuja energia é tirada da nossa mente, e por isto a mentira. Outra vez lembra do pinóquio que cresce o nariz ............que é o símbolo do ego. O ego é uma mentira, faz com que não tenhamos força. Então passamos a delegar esta força para alguém de fora.

Já tive oportunidade de observar que as pessoas, quando buscam saber sobre palestras, se interessam muito em saber se a pessoa é de fora, não importa o que a pessoa já alcançou ou não alcançou. Delegamos para um desconhecido, um estrangeiro,.. isso nos faz descrer da nossa própria condição de Filhos de Deus com capacidades a potencializar para que nós mesmos alcançamos o conhecimento. É muito comum as pessoas acreditarem em algo externo e não em si mesmo.

É isto que este parágrafo está dizendo, que nós somos o Filho perfeito de Deus, esquecemos a nossa origem, esquecemos que estamos ligados a Deus em uma única mente e estamos buscamos lá fora alguém que possa nos salvar.

Mas salvar de quê? Se tudo está na minha própria mente! O que é que pode me salvar? Não tem nada que possa me salvar além do Plano da Expiação, que é o desfazer na tua própria mente os equívocos. Isto ninguém vai fazer por você! Ninguém poderá fazer isto por você.

Assistimos a entrada do ano 2000, quando foram anunciadas tragédias e grandes catástrofes, até com idéias de fim do mundo, serviu para assustar as mentes. Agora estão projetando tudo isto para o ano 20012. Pessoas são atraídas para isto, ‘vai acontecer uma grande catástrofe, mas serão salvos se estiverem em tal...grupo..’, se estiverem morando em tal lugar..’. Isto é uma coisa totalmente do ego porque você tem que estar aliado com tal grupo, com tal ordem, com tais pessoas para poder ser salvo.

Quando não tem a catástrofe anunciada, tem a anti-catástrofe, que dá no mesmo. Tudo que o ego pode fazer para atrair as pessoas, ele faz. Eu nunca vi algo tão pouco atraente quanto a pura verdade. As pessoas não conseguem acreditar que as coisas sejam tão simples assim. As pessoas buscam algo externo, uma aliança. Lembro que em 1999 alguém escreveu um livro chamado ‘A hora x’ , onde estava que os discos voadores iriam chamar os escolhidos que acreditavam naquilo e que seriam salvos. O ano 2000 já passou e eu não vi nenhum disco voador e não vi ninguém se salvar em um disco voador.

Outra vez estamos recebendo um bombardeio muito intenso de crenças equivocadas, temos que estar vigilantes para não nos deixar levar por mais uma crença equivocada, porque a imagem, ou imaginação é muito fértil.

Compreendi a história do sol no Egito: Aprendi quando era criança, que os egípcios, os incas e maias eram povos hereges porque adoravam o sol. Enquanto que o sol, quando eu tive a compreensão, ele serve apenas para lembrar a luz divina. Teríamos que levantar de manhã olhar para o sol e lembrar de Deus para o dia todo.

Para lembrar, também, dentro das casas usavam os discos de ouro e as pessoas ficaram presas naquilo. Deus é luz, luz em aramaico é ‘div’, donde se originou a palavra divino, Deus. Deus e luz são palavras que têm a mesma raiz. Quando me dei conta disto, lembrei que o símbolo no altar da igreja que eu freqüentava e que de certa maneira me levou a acreditar que olhar para o sol era uma heresia, mas eu ficava adorando o ostensório que é de ouro, cheio de raios, fica bem em cima do altar da igreja .

Muitas vezes o simbolismo é o mesmo, a crença da imagem equivocada é que não é. Mesmo um disco solar em cima do altar lembra Deus e quem usa fora do altar é um herege. Isto são crenças que vamos trazendo de maneira equivocada e vamos ficando presos à imagem ou à imaginação, isto nos faz esquecer de Deus. O livro nos diz que a imagem não é nem boa, nem ruim, como os mitos, eles não são bons e nem ruins . São bons se você consegue usar uma imagem e lembrar de Deus e dar este salto. As imagens são ruins se você fica com a mente presa na imagem. Em outro ponto ele diz, não interponha nada entre Deus e você. A gente fica interpondo imagens, com muita imaginação. É isto que nós temos que vigiar para não acontecer de estarmos com alguma crença equivocada, para não acontecer de nos equivocarmos mais uma vez com alguma outra crença, ou interpor alguém ou alguma coisa entre nós e Deus.

Imaginamos Deus à semelhança da nossa própria imagem, não é imagem, é imaginação. É muito interessante, com relação aos mitos, eu tive uma compreensão, sobre a imagem dos anjos, que não têm imagem. Mas como explicar que alguém vem e traz uma mensagem do Céu. Então, é claro, que você tem que colocar asas. Porque os antigos não explicaram para as criancinhas como que alguém poderia vir do Céu, tiveram que dizer, ‘ com asas, igual um pássaro’. É um pássaro ou é um ser igual a nós? Então você pega alguém que desenha um ser igual a nós com asas, daí você cria os mitos, as mitologias.

A figura de Ratoz, que é uma vaca, uma manifestação divina, deusa ratoz. Como que uma vaca pode ser o simbolismo de Deus?

Eles quiseram dizer, como que Deus tem tanta abundância. A vaca tem abundância, a maternidade, sustenta todos os filhos. Depois que cria o significado, cria-se a imagem . É claro que você olhar no altar a imagem de uma vaca, se você não tem esta mesma cultura, você vai entrar em choque.

Como que o simbolismo de Deus pode ser uma vaca? É uma maneira de explicar a maternidade, a abundância, que cuida dos seus filhos, não deixa faltar nada, os alimenta, os supre. Claro que se você focar preso na imagem, você perdeu a oportunidade. Se você transcender a imagem para alcançar Deus, a compreensão do mito e alcança Deus, então o mito é muito bom. Assim é com tudo. Então é manter a mente vigilante contra as crenças equivocadas e não buscar nada fora de Deus, do Reino. Sempre temos reforçado o Plano da Expiação.

Estamos concluindo mais um ano juntos neste trabalho, continuo reforçando que não tem outro caminho a não ser a Expiação. O Natal como lembra nascimento, também me lembra a minha primeira instrução religiosa, do catecismo, onde diziam que eu não deveria ir dormir com nenhum pecadinho na consciência e que eu deveria espiar para dentro de mim mesmo e ver se tem alguma coisa errada e que eu resolvesse aquilo antes de dormir. Que eu deveria fazer uma oração que era chamada de ‘Ato de Contrição’ e depois uma oração para o anjo da guarda. Antes de dormir tudo deveria estar correto na minha consciência. Mas eu não acreditei nisso. Se eu tivesse feito isto, desde então, eu estaria são.

O Plano da Expiação é isto, é espiar na nossa consciência ver o que nós perdoamos o que não perdoamos, desde o nosso nascimento, tudo o que registramos. Se nós conseguimos dar uma espiadinha na nossa consciência e buscar o que não está correto, dar o perdão e conceder o perdão, então sim, vamos ter um ano novo. É um renascimento. Eu até hoje não encontrei outro caminho que não seja o Plano da Expiação, que nos leva a compreender. No momento em que a gente compreende passamos a apreciar, a amar.

Participante: Outro dia assisti uma missa e o padre falou que a palavra ‘conversão’ significa, em grego ‘mudar a mente’. Disse que deveríamos mudar a mente para a mente de Deus, para conseguirmos a unidade.

Jorge: O curso de tarô tem 22 cartas, graus, que devemos passar por elas para alcançar a plenitude do espírito. Na carta 10 acontece o discernimento, ele nos torna aptos a discernir entre o jôio e o trigo. Antes de alcançarmos este nível de compreensão a gente não consegue discernir, entre o que é certo e o que não é. Por isso muitos são levados pelas crenças equivocadas e acabam se desviando do caminho, porque não levam a pessoa de volta para Deus.

Quando eu encontrei o meu caminho, comecei a compartilhar o meu aprendizado, quis ensinar isso para os outros, eu fui muito assediado, tantas pessoas vieram me buscar para me levar de um lado para o outro. Alguns diziam que Jesus era o governante da era passada, que ele era diretor de outro departamento, agora está governando fulano de tal. Ora, desde quando o Céu está dividido em diretorias e departamentos? Isso é uma coisa do nosso ego.

As pessoas passam a acreditar que têm que seguir um novo diretor, este tipo de coisas. Tantas outras coisas, como agora não é mais assim, agora é diferente. .. Eu disse, eu acho que encontrei o caminho e eu não vou desistir. Eu era assediado para mudar o meu caminho, mas estava convicto e estou até hoje convicto de que achei o caminho.

O que é a convicção? A convicção é quando você fica convencido que é por ali. O que acontece muitas vezes é que, quando a pessoa ainda não alcançou o discernimento, ela tem dúvidas. Por exemplo: Será que é mesmo? Será que isto está certo? Será que não é para o outro lado? Será que o Jorge não está maluco?

A pessoa vai arrumar outro lugar, daqui a pouco ela começa a duvidar da orientação que está sendo dada lá também, daí vai para outro, mais outro. A dúvida é a divisão na mente. Como está na oração do Pai Nosso: Perdoar as dívidas..o que é perdoar? É fechar, é desfazer a divisão. Vamos encontrar a divisão, a divergência, quando você têm dúvidas, você tem divergências, você vai para a diversão, para a diversidade.

Então, o que é conversão? É o oposto de diversão, divergência, de diversidade! Enquanto a gente não alcança o discernimento a gente não tem certeza de qual que está certa. A diversidade de opções para qualquer coisa. Você vai comprar um micro você vai encontrar tantas diversidades, a mente fica dividida. Se você fizer uma escolha e deixar que se infiltre uma outra possibilidade, aí você já se perdeu. Daí tem que voltar e rezar o Pai Nosso, é o ‘orai’ . Temos que vigiar, quando você sente que se perdeu: Orai! Orar para que você se convencer novamente do caminho.

Numa das leitura de hoje , está que o ego não aceita a verdade, porque a verdade o desintegraria, então ele tem que manter, a qualquer custo, sua crença, seu sistema de pensamento. Nas minhas experiências do Egito, as revelações (no sentido de tornar claro), uma delas é a esfinge, já compartilhei com vocês. A esfinge é um bloco de pedra, pesando não sei quantas toneladas, corpo de leão, cabeça de faraó. Está escrito lá ‘decifra-me ou eu te devoro’, durante uma reunião do Curso em Milagres , me veio a mente, muito antes de ter ido pela primeira vez para o Egito, que a esfinge é o ego. Porque o faraó era considerado o rei dos homens, isso depois foi levado para o sentido egóico, do poder. O leão era considerado o rei dos animais. É quem governa o mundo. O mundo é do ego.

Alguém me falou que eu deveria estar maluco, por que os egípcios estavam tão desenvolvidos que jamais teriam construído um monumento para o ego. Mas não é um monumento para o ego. É uma lembrança. Porque o ego guarda a entrada das pirâmides que é onde está o altar das iniciações. É apenas uma lembrança de que o ego se interpõe entre nós e o altar.

O ego não vai aceitar a verdade que é tão simples, ele vai buscar outros caminhos para que você não encontre a luz. Se o pinóquio voltar para casa ele vai virar um boneco de madeira jogado num canto . Então ele não pode voltar para casa, ele tem que caminhar para o quanto mais longe de casa for possível. Voltar para casa é o fim do pinóquio. Pinóquio sabe que não pode voltar para o Gepetto.

........isto é que está na nossa mente dividida. Você traz o pinóquio de volta, desfazendo todas as mentiras e todos os danos que o teu pinóquio causou, este é o momento da convergência. Convergir é o oposto de divergir.

Eu estou aqui só para ser verdadeiramente útil.
Eu estou aqui para representar Aquele Que me enviou.
Eu não tenho que me preocupar com o que dizer ou o que
fazer, porque Aquele Que me enviou me dirigirá.
Eu estou contente em estar aonde quer que Ele deseje,

sabendo que Ele vai comigo.
Eu serei curado na medida em que eu permitir que Ele
me ensine a curar.

 

©  2004 - Milagres