LIÇAO 9

LIÇÃO 9
Eu não vejo nada tal como é agora.
Essa idéia, obviamente, decorre das duas precedentes. Mas, embora possas ser capaz de aceitá-la
intelectualmente, é pouco provável que signifique alguma coisa para ti por enquanto, contudo, a
compreensão não é necessária nesse ponto. De fato, o reconhecimento de que não compreendes é um
pré-requisito para desfazer as tuas falsas idéias. Estes exercícios concernem a pratica, não a
compreensão. Não precisas praticar aquilo que já compreendes. Ter como objetivo a compreensão e
assumir que já a tens seria, de fato, andar em círculos.
É difícil para a mente não treinada acreditar que aquilo que ela parece retratar não existe. Essa
idéia pode ser bastante perturbadora e pode encontrar uma resistência ativa sob inúmeras formas.
Mas isso não impede a sua aplicação. Nada mais do que isso é requerido para estes exercícios ou
quaisquer outros. Cada pequeno passo esclarecerá um pouco da escuridão, e a compreensão
finalmente virá para iluminar cada canto da mente que tenha sido esvaziado dos entulhos que o
obscurecem.
Estes exercícios, para os quais bastam três ou quatro períodos de pratica, envolvem olhar à tua
volta e aplicar a idéia para o dia a qualquer coisa que vês, lembrando-te da necessidade de uma
aplicação indiscriminada e da regra essencial de nada excluir. Por exemplo:

Eu não vejo essa máquina de escrever tal como é agora.
Eu não vejo esse telefone tal como é agora.
Eu não vejo esse braço tal como é agora.
Começa com as coisas mais próximas de ti e depois estende teu âmbito para fora:
Eu não vejo aquele cabide de casacos tal como é agora.
Eu não vejo aquela porta tal como é agora.
Eu não vejo aquele rosto tal como é agora.
Enfatiza-se mais uma vez que, embora não devas tentar inclusão completa, tens que evitar
qualquer exclusão específica. Certifica-te de estar sendo honesto contigo mesmo ao fazer essa
distinção. Podes ser tentando a obscurecê-la.


 

 

  2004 - Milagres